quinta-feira, março 22, 2007

Nota do realizador


A cultura é um dos poucos traços de um povo que consegue perpetuar no tempo e deixar marcas profundas no modo de viver, pensar, agir, estar, etc. de qualquer povo.

Cabo Verde, como um país de misturas a todos os níveis, não podia deixar de ser diferente, afinal, está entre os poucos países do mundo que tiveram o privilégio de estar na origem do fenómeno globalização. Costuma-se dizer que o cabo-verdiano traz a cultura na alma e na sua própria forma de ser. Eu sou um deles, pois, a cultura sempre me despertou um interesse especial. Tenho uma atracção pelos monumentos e por tudo que se refere à cultura, por isso, o berço da nação cabo-verdiana é para mim um santuário do homem cabo-verdiano, para não falar do homem da aldeia global.

A conservação do património é um imperativo, mormente para um país que pretende fazer parte dos roteiros internacionais do turismo cultural. Para atingir tal objectivo é preciso, a par das restaurações, fazer um trabalho com população, os principais alvos e os que mais facilmente verão as suas vidas alteradas. A comunidade da Cidade Velha precisa estar consciente que o turismo cultural acarreta benefícios e "perdas". As duas partes têm que encontrar a melhor forma de gerir os conflitos para que Cabo Verde possa fazer parte do património mundial da UNESCO com apoio tanto do Estado como dos moradores. Estes têm que entender que as autoridades estão do lado deles e não o contrário. É preciso uma aproximação saudável e uma comunhão de esforços para que os objectivos sejam comuns.

Este filme é para mim uma forma de divulgar os problemas que as pessoas que vivem nos museus enfrentam. Pretendo contribuir para divulgar as preocupações das pessoas que diariamente sentem a sua privacidade invadida pelo estranho, por outro lado pretendo mostrar a comunidade da cidade velha que o patrimonio é deles e por isso o trablaho é de todos.

Mário Benvindo Cabral
realizador

Um comentário:

A Voz disse...

Sou da Universidade de Aveiro, Portugal.
No dia 17 de Março, partiu daqui um veleiro (CHIC), que pretende reconstituir as rotas do padre António Vieira, dando início às comemorações do quarto centenário do seu nascimento.
A cidade velha tem grande importância para os investigadores que vão a bordo do navio. 2 dos tripulantes são cineastas e pretendem fazer alguma filmagens aí.
A chegada prevista à cidade da Praia é domingo, 1 de Abril e será divulgada pela comunicação social.
Eles gostariam muito de se encontrar consigo para trocar ideias e partilhar conhecimentos.
Toda a informação sobre o Cruzeiro Histórico e o projecto vieira2008 está em: http://www.ua.pt/vieira2008
O meu contacto é gvasconcelos@dce.ua.pt

Obrigado!
Os melhores cumprimentos!

Gustavo Vasconcelos